Socialismo e fascismo: Dois lados da mesma moeda

Luca Colli
December 3, 2021
Se pensarmos no que tem sido o debate político europeu ao longo do século passado, sem dúvida, não podemos deixar de considerá-lo o produto de duas grandes ideologias aparentemente opostas: O socialismo e o fascismo. Elas caracterizavam—e ainda caracterizam—, a vida política de um século inteiro, explorando uma propaganda específica que tinha por objetivo criar a ideia de dois tipos de estruturas econômicas e políticas, nascidas para serem geneticamente contrastantes. Na verdade, elas têm sido muito mais semelhantes do que os socialistas e fascistas teriam desejado e acreditado.

Religiões seculares

O socialismo e o fascismo foram criados no mesmo período histórico e social, aquele em que o poder do cristianismo começou a perder sua capacidade de afetar as massas, e os Estados precisavam de outro instrumento para controlar as políticas públicas emergentes (movimentos de raiz de massa).

Ao longo do século XIX, tornou-se claro que a legitimidade das dinastias reais teria sido constituída pelas religiões seculares.

O romantismo produziu a ideia de nacionalismo. O conceito de Vontade Geral de Rousseau encontrou sua aplicação na ideia de Nação fundada nas pessoas e no culto das pessoas a si mesmas. Amor a Deus tornou-se o amor pela própria Nação, algo para defender e morrer. Hitler baseou a construção de sua propaganda aproveitando as antigas tradições germânicas, com cerimônias, rituais e símbolos que tinham o objetivo de levantar a ideia da Alemanha, construindo um culto civil real e atual.

Não foi muito diferente do que Benito Mussolini fez na Itália. Ele foi capaz de usar símbolos pertencentes ao Império Romano, sugerindo a Itália como seu descendente direto. Do lado oposto, na tentativa de criar uma ideologia, estava a profecia marxista. A Igreja era representada pelo Partido Comunista, com os escritos de Marx e Engels como textos sagrados, e o inimigo identificado no capitalismo burguês.

Como Charlotte D. escreveu:

Karl Marx deixou uma forte herança antirreligiosa para gerações de socialistas, mas por que as religiões são tão incompatíveis com o socialismo? Porque o socialismo constitui uma religião em si. […] O governo busca se atribuir o papel de Deus e como, nesta perspetiva, o socialismo se pretende impor como única religião.

Ambos conseguiram criar uma religião secular com seus próprios rituais, mitos, símbolos e tradições que tinham o único objetivo de sustentar a ideologia.

O processo de secularização produzido pela Revolução Francesa levou à criação de dois padrões de controle político, e mesmo que se enfrentassem, tentando se apresentar como representantes de ofertas opostas, ambos foram consequência do esforço de controle das massas através do mesmo princípio político e econômico: O coletivismo.

Coletivismo vs. Individualismo

Olhando para as características do socialismo e do fascismo, parece bastante claro que eles têm um fio condutor específico que liga sua ideia de sociedade.

Segundo essas doutrinas, o indivíduo deve perder sua peculiaridade e deve ser reduzido a uma dimensão coletiva na qual não é mais uma representação única de si mesmo, mas passa a fazer parte da sociedade orgânica, onde seus direitos individuais se dobram em favor dos coletivos.

Sobre isso, Ayn Rand escreveu:

A característica essencial do socialismo é a negação dos direitos de propriedade individuais; sob o socialismo, o direito à propriedade (que é o direito de uso e disposição) é investido na “sociedade como um todo”, ou seja, no coletivo, com produção e distribuição controladas pelo estado, ou seja, pelo governo.

O socialismo pode ser estabelecido pela força, como na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas—ou pelo voto, como na Alemanha Nacional-Socialista.

Teoricamente, as diferenças são superficiais; na prática, são apenas uma questão de tempo. O princípio básico, em todos os casos, é o mesmo.

O pensamento de Ayn Rand não poderia ser mais claro: “Fascismo, Nazismo, Comunismo e Socialismo são apenas variações superficiais do mesmo tema monstruoso—o coletivismo.”

Se olharmos para eles desse ponto de vista, suas diferenças começam a aparecer ainda mais matizadas, até desaparecerem. A preeminência da questão de classe de um lado, a questão nacional de outro. As únicas diferenças a construir para tentar ser diferente, escondendo o mesmo objetivo real: o coletivismo da sociedade e a destruição da liberdade individual. São semelhantes, por isso se odeiam, porque querem seduzir o mesmo eleitorado.

Por exemplo, Benito Mussolini foi um membro dirigente do Partido Socialista Italiano (Partito Socialista Italiano) antes da Primeira Guerra Mundial, tirando vantagem de uma posição antissocialista após a guerra. Além disso, quando teve que fugir em 1944, fundou a Repubblica Sociale Italiana, um Estado-fantoche Nacional-Socialista. Ele voltou às suas ideias socialistas iniciais promovendo propaganda anticapitalista e teorias econômicas socialistas.

O fio condutor parece bastante explícito. Como disse Von Hayek:

O fascismo é o estágio alcançado depois que o comunismo se revelou uma ilusão. […] É verdade, claro, que na Alemanha antes de 1933 e na Itália antes de 1922, comunistas e nazistas ou fascistas se enfrentaram com mais frequência do que com outros partidos. Eles competiam pelo apoio do mesmo tipo de mente e reservavam um para o outro o ódio do herege. Mas sua prática mostrou como eles estão intimamente relacionados. Para ambos, o verdadeiro inimigo, o homem com quem nada tinham em comum e a quem não podiam esperar convencer, é o liberal do velho tipo.

Os socialistas e os fascistas tiveram a mesma visão de sociedade, uma sociedade de massas na qual a vontade geral poderia sufocar todo tipo de individualismo, onde nem todos se reúnem sob a Igreja Civil, ela deve ser convencida com o uso da força.

Esta última postagem não pode ser ignorada. É uma marca comum a todos eles: um rastro de violência, sofrimento e morte. Centenas de milhões de mortes foram causadas em nome do coletivismo por socialismos de esquerda e de direita.

Teorias econômicas e ídolos culturais

Como já foi escrito, seus paralelos são mais evidentes do que sua diferença. Do ponto de vista econômico, essa consideração obviamente não muda. Pelo contrário, parece ainda mais manifesto.

Os sistemas econômicos baseados em valores socialistas aparecem como portadores de ideias muito semelhantes, nas quais o controle do governo sobre a economia tem que ser ainda mais forte, substituindo a iniciativa privada.

Novamente, olhando para os exemplos que a história nos deu, parece impossível ser realmente da opinião de estar diante de dois mundos políticos opostos, como políticos e intelectuais de ambos os lados têm sustentado.

Citando o que Von Mises escreveu:

Onde todos os preços, todas as taxas de salários, todas as taxas de juros, enfim, tudo em todo o sistema econômico, é determinado pelo governo. E isso, claramente, é socialismo. […]

Pois na Alemanha de Hitler não havia empresa privada ou iniciativa privada. Na Alemanha de Hitler, havia um sistema de socialismo que diferia do sistema russo apenas na medida em que a terminologia e os rótulos do sistema econômico livre ainda eram mantidos. Ainda existiam “empresas privadas”, como eram chamadas. Mas o dono não era mais empresário, o dono era chamado de “gerente de loja”.

O programa econômico do fascismo italiano não diferia do programa do Socialismo de Guilda Britânica, propagado pelos mais eminentes socialistas britânicos e europeus.

O sistema italiano não era muito diferente. Mussolini, como já foi escrito, era um socialista fervoroso habilidoso o suficiente para usar as ideias revanchistas causadas pela Primeira Guerra Mundial para assumir o poder. Economicamente, o Estado italiano tinha uma estrutura bastante semelhante à que Lenin fez na Rússia após o colapso econômico de 1921, período denominado “comunismo de guerra”, que fez com que cinco milhões de pessoas morressem de fome.

O fascismo italiano passou por um importante processo de nacionalização de bancos, empresas e indústrias, agregando um sistema autárquico e uma gestão burocrática muito pesada. Segundo declarou Mussolini, três quartos da economia italiana, industrial e agrícola, estavam nas mãos do Estado.

Os fatos mostram um objetivo econômico que hoje em dia todos, que não sabem ter parentesco com o fascismo, poderiam facilmente atribuir a um partido de esquerda socialista decidido. Os rótulos com que as diferentes narrativas políticas se autodenominaram não mudam a realidade.

Como foi escrito até agora, socialismo e fascismo tiveram a mesma gênese, o mesmo desenvolvimento, a mesma ideia filosófica e teoria econômica. Eles são tão semelhantes que têm os mesmos ídolos culturais. Uma longa linha de autores e personagens que foram donos ideológicos de um lado que acabou passando para o outro.

Por exemplo, o pensamento de Nietzsche inspirou o nacional-socialismo, embora ele tenha se tornado uma referência para os partidos de esquerda na segunda metade do século XX; outro exemplo relevante foi Georges Sorel, pai do marxismo revolucionário francês, que se tornou um grande admirador de Lenin e Mussolini; Os partidos de extrema direita italiana mostraram-nos algo ainda mais estranho, na verdade, tentaram assumir como referência dois dos principais expoentes socialistas: Antonio Gramsci e Ernesto ‘Che’ Guevara.

A tese sobre dois polos extremos não pode ser aceita de forma alguma. Se olharmos para eles hoje em dia, não poderia ser mais claro, pois sua visão de mundo ainda é a mesma, apenas com algumas pequenas diferenças feitas para poder distingui-los.

Se pensarmos nos principais partidos e movimentos europeus contemporâneos de esquerda e direita, que têm suas raízes nos do século passado, sendo o resultado direto, parece bastante claro que suas características ainda são facilmente vinculáveis ​​ao que foi escrito até agora.

Enquanto os socialistas de esquerda perderam a ideia de questão de classe, em busca de um novo sujeito para continuar sua narrativa política, os socialistas de direita ainda estão nas mesmas posições históricas. A maioria das coisas não mudou. Eles ainda têm uma visão pró-governo, eles odeiam a liberdade e os direitos individuais, eles odeiam o livre mercado e a globalização, eles continuam sonhando com a mesma sociedade coletiva na qual todos existem apenas como parte de um grupo. Escondidos atrás de velhos princípios ligados à religião e ao nacionalismo, à direita, e atrás de uma ideia oximorônica de liberdade igualitária, à esquerda, eles continuam promovendo os mesmos objetivos políticos cujo único objetivo é hoje—como no passado—, destruir todo tipo de liberdade individual.

+ posts

Luca Colli is an Italian interested in politics. He has studied international politics and economical historic aspects. Defender of freedom. he hates every kind of conformity.