Meu livro favorito de Economia e Política para iniciantes

Lucas Nunes
March 25, 2021
As Seis Lições, de Ludwig von Mises, foi minha introdução formal à Escola Austríaca de Economia, que me levou ao libertarianismo. Considero esse livro um dos melhores livros introdutórios àqueles que desejam saber mais sobre economia e política.

Esse livro foi baseado nas transcrições dos áudios das palestras que Mises fez em Buenos Aires, na Argentina, em 1958. Anos depois, após a morte de Ludwig von Mises, sua esposa, Margit von Mises, teve acesso às fitas das palestras no país sul-americano. Pelo fato de o livro ser a transcrição dessas gravações das palestras, com apenas algumas alterações, ele é extremamente objetivo e é muito fácil de entender. O livro é dividido em 6 capítulos:

Capitalismo;

Socialismo;

Intervencionismo;

Inflação;

Investimento estrangeiro;

Política e ideias.

Cada capítulo está repleto de exemplos reais, o que torna sua compreensão muito mais fácil. Mises fala sobre as origens do capitalismo, das origens do socialismo, explica os perigos do intervencionismo, os problemas com a inflação, como os investimentos estrangeiros foram e ainda são importantes para o desenvolvimento das nações subdesenvolvidas e, no último capítulo, fala sobre política e ideias. Neste último capítulo, ele fala sobre o que pensa que precisa ser feito para promover ideias de liberdade e por que isso é importante.

Este livro está disponível em vários idiomas, como inglês, espanhol, húngaro e português. As Seis Lições também podem estar disponíveis em outros idiomas, então, vale a pena conferir. Em breve, estará disponível em francês, pois atualmente estou trabalhando em sua tradução para a língua francesa.

Meus tópicos favoritos

Um aspecto de que gosto muito nesse livro é que, embora tenha sido baseado em palestras de 1958, tudo o que Mises fala continua extremamente atual. Por exemplo, muitas vezes vi pessoas insatisfeitas reclamando de políticos liberais. Naquela época, nos anos 50, Mises já criticava os autoproclamados liberais na política, dizendo que eles defendiam políticas contrárias às que os liberais do século XIX defendiam em seus programas liberais.

Outro tópico interessante mencionado no livro é o fato de que os autores socialistas, sem exceção, eram burgueses, no sentido em que os socialistas usam esse termo. Como isso é diferente da situação de agora? Na verdade, quando olhamos para os intelectuais socialistas e as elites que se envolvem na política, eles são compostos principalmente por pessoas vindas das classes altas. O socialismo continua sendo uma ideologia elitista, criada pelas elites, que acabam usando esse sistema para se manter no topo, controlando as classes mais baixas.

A inflação foi outro assunto neste livro que chamou minha atenção. Quando pensamos na inflação, parece que nada realmente mudou. A crítica feita por Mises parece absolutamente real. Ele poderia dizer a mesma coisa que estava falando em 1958, apenas adicionando algumas correções para atualizar os dados e ele estaria absolutamente correto. Quando olhamos para o poder de compra de toda a moeda fiduciária está constantemente diminuindo, à medida que os bancos centrais estão constantemente criando mais unidades de dinheiro. Um exemplo de inflação que pode ser visto na Europa é: 1 euro em 1999 é cerca de 1,75 euro em 2021. Isso significa que 1 euro em 1999 tinha mais poder de compra do que 1 euro tem hoje. A inflação, infelizmente, é um câncer que ainda não conseguimos curar.

Outro tópico interessante que continua tão atual diz respeito ao investimento estrangeiro. Mises menciona que vários países, como a Índia, tinham várias políticas e ideias políticas contra o investimento estrangeiro, baseadas na ideia marxista falha de que o investimento estrangeiro levaria à exploração do povo pelos gananciosos capitalistas. Esse tipo de ideia e política ainda está muito presente em muitos países. Quem nunca ouviu um político falando contra o investimento privado estrangeiro e dizendo que os “malvados” investidores capitalistas só explorariam a nação?

Na verdade, naquela época, e hoje, o investimento estrangeiro sempre fez com que as nações se desenvolvessem. O capital estrangeiro britânico fez da Alemanha uma nação próspera, cheia de indústrias que mais tarde evoluíram para suas próprias indústrias nacionais, como Mises demonstrou nesse livro. Mas quando olhamos para os tempos mais recentes, as mesmas coisas continuam acontecendo em nações que não caem nessa demagogia marxista barata. Países como a Irlanda, onde vivo, também receberam investimentos estrangeiros, de várias empresas americanas. Com o capital estrangeiro, o país que era um dos países mais pobres da Europa Ocidental, até os anos 90, tornou-se uma das nações mais ricas do mundo.

O último ponto que gostaria de destacar aqui é a parte em que Mises demonstra que o Terceiro Reich da Alemanha, sob o Partido Nacional Socialista, era na verdade um modelo socialista, que copiou quase tudo da estrutura da Rússia Soviética. Torna-se claro, olhando para as evidências históricas de que temos sido enganados, repetidamente, pelos socialistas que constantemente tentam se dissociar dos nazistas, quando, na verdade, o governo nazista era verdadeiramente socialista, em todos os sentidos.

Embora esse seja um livro curto, Mises desmascara muitas falácias e ideias erradas que são perpetuadas por socialistas e keynesianos, ideias que são ‘’mainstream”, infelizmente. Mesmo que você esteja num nível mais avançado de conhecimento sobre a Escola Austríaca e libertarianismo, ainda assim recomendo a leitura deste livro, pois ele menciona muitos eventos históricos. Eu li este livro pelo menos quatro vezes, em duas línguas diferentes e usei-o várias outras vezes como fonte de conhecimento quando estava escrevendo artigos ou simplesmente debatendo ideias. Espero que esta resenha seja um incentivo para você ler As Seis Lições, de Ludwig von Mises. Este livro também pode ser um ótimo presente a alguém que você gostaria de apresentar à Escola Austríaca de Economia e ao liberalismo que precedeu o libertarianismo.